Labcodes

visit labcodes.com.br

Thu 03 August 2017 | Thulio Philipe

Segurança de Aplicações Web — 101

Segurança de Aplicações Web — 101

Para aqueles que não sabem absolutamente nada.

Devido ao crescimento e necessidade cada vez maior de aplicações web compartilharem informações, se faz necessária a adoção de mecanismos para manter tais sistemas e dados seguros. Este artigo tem como objetivo apresentar algumas das principais vulnerabilidades encontradas em aplicações web. Nos próximo artigos iremos detalhá-las melhor e discutir técnicas para prevenir as brechas aqui comentadas.

Questões de segurança acontecem principalmente porque desenvolvedores que sabem das coisas, esquecem ou ignoram.

Vulnerabilidades

Todos os dias empresas sofrem com casos de invasão ou falhas de segurança e a maioria das vezes não sabemos porque não há divulgação na mídia.

Em 2016, companhias como Snapchat, Verizon, LinkedIn e Dropbox, tiveram diversos problemas de vulnerabilidade, desde phishing a vazamento de e-mails, senhas e outras informações sigilosas, obrigando as equipes a encontrarem estas brechas o mais rápido possível. Em 2017, o cenário não mudou muito e empresas como E-Sports, Gmail e até a Washington State University continuam sofrendo com os mesmos problemas. Esses casos afetaram +20 milhões de usuários, que tiveram seus dados revelados. Você faz idéia do custo que isso teve para as gigantes? São muitos zeros!

OWASP (Open Web Application Security Project)

Fundada em Dezembro de 2001, a OWASP é uma comunidade online que cria e disponibiliza de forma gratuita artigos, metodologias, documentação e ferramentas para educar desenvolvedores, designers, arquitetos e organizações sobre as consequências de falhas de segurança. Para ajudar outras organizações na redução dos riscos de suas aplicações, além de produzir conteúdo free e open, eles também lançam anualmente uma lista com as TOP 10 vulnerabilidades, baseada principalmente nos dados de 11 empresas especializadas em segurança de aplicações, totalizando mais de 50.000 aplicações e APIs em uso.

O material produzido e disponibilizado pela OWASP pode ser dividido em várias categorias, algumas são:

Cheat Sheet Series

É uma coleção de dicas valiosas em tópicos específicos sobre aplicações web, provendo um excelente guia de segurança de fácil leitura e compreensão. Alguns tópicos abordados são Ajax, Autenticação, HTML5 Security, Gerenciamento de sessões, entre outros.

Enterprise Security API

A ESAPI é uma biblioteca free e open-source que tem como objetivo tornar mais fácil a escrita de aplicações com baixo risco de vulnerabilidade. Ela foi desenhada para se adaptar a segurança de aplicações já existentes podendo ser implementada por várias linguagens.

Broken Web Applications Project

Coleção de vulnerabilidades conhecidas em aplicações web, distribuídas e executadas em uma máquina virtual, perfeita para quem deseja aprender mais sobre segurança em aplicações web, testar algumas ferramentas e observar como funciona o fluxo de ataques.

Top 10 Riscos

A identificação dos riscos é feita pela coleta de informações sobre a ameaça envolvida, o tipo de ataque que será utilizado, a vulnerabilidade envolvida e o impacto dessa vulnerabilidade caso o atacante obtenha sucesso. Essa análise é calculada utilizando a seguinte fórmula:

risco = probabilidade * impacto

Os principais riscos de segurança para 2017 ainda não foram finalizados, mas vamos falar sobre os que estão sendo mais encontrados até o momento.

Caso você tenha algum interesse por determinado assunto em específico, os nomes estão em inglês para facilitar a busca.

Denial of Service — DoS

Também conhecido como negação de serviço, é uma tentativa de tornar os recursos de um sistema indisponíveis, tendo como alvo principal os servidores web. Quando o ataque parte de diversas fontes ele recebe o nome de Distributed Denial of Service.

Password Guessing Attacks

Como o próprio nome já diz, tem como alvo senhas de acesso. O atacante utiliza de várias ferramentas como geradores de senhas randômicas, listas com passwords mais comuns, hashes e combinações existentes na web para ajudar neste ataque do tipo brute force (força bruta).

Cross-Site Scripting — XSS

Esta vulnerabilidade consiste na inserção de scripts maliciosos que serão executados no momento em que a página for acessada. Existem várias abordagens, as mais utilizados são através da URL ou inputs. E uma dica, tenha cuidado na utilização do eval() e output escaping sempre que possível.

Insecure Direct Object References — Insecure DOR

Este tipo de ataque acontece quando um usuário mal intencionado obtém acesso a informações como userID, através da URL. Utilizando de um ID sequencial o usuário consegue obter acesso a informações de outros usuários alterando a URL.

Sensitive Data Exposure

Este tipo de vulnerabilidade pode ser descoberta a partir do momento em que o servidor não protege os dados, como password, informações de cartão de crédito e e-mails, de forma adequada. Criptografia é indispensável e autenticação em dois fatores é o mínimo. Aprenda com o Github.

Missing Function Level Access Control

A definição de um controle de acesso, impossibilita que usuários não autorizados alterem informações inadequadas. A partir do momento em que um usuário acessa informações que não tem permissão, há uma falha de segurança.

Cross-Site Request Forgery — CSRF

O atacante engana o usuário e envia um link via e-mail ou chat com o intuito de executar ações sem o seu consentimento. Desta forma, é possível realizar uma requisição para o servidor se passando pelo usuário, utilizando o seu cookie de sessão. Evite este tipo de ataque utilizando o CSRF Token.

Utilizando componentes com vulnerabilidades conhecidas

Módulos, componentes, bibliotecas ou frameworks quase sempre são executados utilizando privilégios do usuário. Se algum pacote estiver desatualizado, a chance de ataque é maior. Pacotes node apresentam algumas vulnerabilidades conhecidas e podem ser encontradas aqui.

Clickjacking

Este ataque consiste em obter os cliques do usuário e redireciona-los para outra ação. Ele se torna presente a partir do momento que uma aplicação permite ser exibida através de um Iframe. Mais informações sobre Clickjacking pode ser encontrada na documentação de HTTP X-Frame-Options.

A lista não se resume apenas às práticas citadas, outras vulnerabilidades são presentes e você pode saber mais sobre elas através deste link.

Comunidade

Participar de eventos e trocar conhecimento é, com certeza, uma das partes mais legais de se trabalhar com comunidade. Ficou animado para participar do próximo evento em segurança? Dá uma conferida na programação do Roadsec. Eles estão sempre rodando o país com palestras, workshops e campeonatos como o Hackaflag, campeonato de Hacking que envolve vários conceitos de segurança.

Conhece algum outro evento ou comunidade da sua região? Deixa o link nos comentários.

Material Complementar

Se ficou interessado pelo assunto, fica ligado no meu próximo artigo! Nele iremos discutir técnicas para mitigar essas vulnerabilidades e abordar com mais detalhes como se prevenir dos pontos citados, junto com demonstração em código.

Gostou do texto? Clica no ❤. Já conhecia alguma das vulnerabilidades mencionadas? Deixe seu comentário relatando e vamos bater um papo legal. Cheers! 🍺